Tudo é energia, tudo é um, tudo é possível


Tudo é energia e tudo está conectado a tudo o mais. A água do oceano e as nuvens do céu. As árvores e os animais. Você, eu e o mundo ao nosso redor. Tudo vem da mesma fonte e retorna a ela. Tudo é um. Pensamentos e sentimentos também são energia, então tudo o que pensamos e sentimos tem uma influência sobre tudo e todos neste planeta. Dessa forma, criamos nossa própria realidade, porque a mente governa a matéria.



Tudo é energia



Tudo é energia? Está tudo unido? Se eu olhar em volta agora, vejo um laptop e a mesa sobre a qual estou escrevendo este livro, uma janela e, atrás dessa janela, um jardim com flores, arbustos e árvores. Todas essas são formas e coisas individuais. Sim, tudo é um, porque tudo consiste na mesma matéria, mas nesta verdade “sólida” vejo mais um número incoerente de fenômenos do que um todo unificado. Na escola, aprendi que a matéria é feita de moléculas. As moléculas consistem em átomos. Os átomos consistem em um núcleo com elétrons circulando em torno dele. Todos são partes, frações e partículas, mas à primeira vista não há todo, não há unidade. No entanto, as aparências enganam. A realidade sólida acaba sendo menos sólida do que parece. A ciência provou que a matéria é 99,9999999999999 por cento de espaço vazio. Isso é doze noves após o ponto decimal! Se você ampliar o núcleo de um átomo até o tamanho de uma cabeça de alfinete, o primeiro elétron estaria a uma distância de 50 metros. No meio, há apenas espaço vazio. Isso significa que o livro que você está lendo agora, a cadeira em que se senta, a casa em que vive, a terra em que vive, a chamada realidade sólida consiste em grande parte de um espaço vazio. Se há tanto espaço vazio, o que resta em termos de matéria sólida? Um cálculo rápido nos mostra que a parte sólida de um átomo é apenas 0,000000000001 por cento de toda a massa do átomo. É inconcebível que objetos sólidos consistam em tão pouca matéria sólida. E, de fato, mesmo essa matéria “sólida” não é sólida.


O fim das peças sólidas



Por muito tempo após a descoberta de moléculas e átomos no século XVII, os cientistas presumiram que as moléculas e os átomos consistiam em partículas sólidas. Mas de acordo com a física quântica, desenvolvida no início do século XX, não existem “partículas” per se: a energia é a base da realidade material. Todo tipo de partícula é concebido como uma vibração quântica em um campo: elétrons são vibrações em campos de elétrons, prótons vibram em um campo de prótons e assim por diante. Tudo é energia e tudo está conectado a tudo o mais por meio de campos. Em seu nível mais elementar, a matéria não aparece como pequenas partículas isoladas; toda matéria é essencialmente uma e indivisível, um tecido dinâmico e conectado de campos vibrantes de energia. Para mais informações sobre este assunto, consulte The Field de Lynne McTaggart e The Whole Elephant Revealed de Marja de Vries. Não apenas o átomo e a matéria sólida consistem principalmente de espaço vazio, é o mesmo no espaço sideral. Existem tantas estrelas no Universo quanto grãos de areia nas praias da Terra combinadas. Esses são números quase infinitamente grandes, mas entre eles 99,999999999999 por cento do espaço está vazio. Um pouco desperdício, todo aquele espaço não utilizado. Deus não tinha imaginação quando criou o Universo ou há algo mais acontecendo? Os pesquisadores da teoria quântica descobriram a resposta: não apenas as partículas consistem em energia, mas também o espaço entre elas. Esta é a chamada energia do ponto zero. Portanto, é verdade: tudo consiste em energia.



Energia de Ponto Zero



As últimas descobertas científicas apontam cada vez mais para uma energia primária fundamental que funciona em todo o Universo e conecta tudo a tudo o mais. Esse mar de energia que penetra tudo foi medido primeiro pelo Dr. Harold Puthoff. O experimento foi conduzido a 0 graus Kelvin, que é chamado de zero absoluto e é o mesmo que -273 graus Celsius. Se você aquece algo adicionando energia, as moléculas se movem cada vez mais rápido. Por exemplo, quando aquecida, a água começa a borbulhar e evapora. O inverso acontece quando você resfria a água: as moléculas se movem cada vez mais lentamente e a água congela e se solidifica. De acordo com o antigo modelo científico, nenhuma molécula, átomo ou partícula mais elementar se move no zero absoluto, portanto, nessa temperatura, não deveria ser possível medir qualquer energia. Em vez de nenhuma energia, como esperado, Puthoff encontrou o que chamou de "um 'caldeirão de bruxa' fervente" de energia.


O físico alemão Max Planck foi o primeiro a provar, em 1911, que o espaço vazio entre os planetas e os átomos está realmente transbordando de energia, que ele chamou de energia do ponto zero. O físico John Wheeler, da Texas University, calculou mais tarde que a energia do ponto zero de um centímetro cúbico de espaço vazio é igual a 10¹⁰⁸ joules. Isso é mais do que a energia em toda a matéria do Universo. Os cálculos de outro pesquisador sugerem um valor inferior. De acordo com o famoso físico americano Richard Feynman, a densidade de energia do vácuo é “apenas” 10⁹⁵ joules por centímetro cúbico. Isso ainda significa que um copo cheio de espaço vazio contém energia suficiente para fazer ferver o Oceano Atlântico. Em seu livro The Field, Lynne McTaggart faz um levantamento das descobertas científicas que provam que um campo de energia que contém tudo, conectando tudo a tudo o mais, realmente existe. Consciência e matéria, o homem e a realidade ao seu redor - segundo ela, todos se baseiam na mesma energia primária. Tudo é energia e, segundo ela, o campo de energia do ponto zero é o alfa e o ômega, o início e o fim da nossa existência.



A energia com mil nomes



Se as chamadas partículas sólidas de um átomo ocupam 0,000000000001 por cento do seu volume e o espaço restante é preenchido com energia de ponto zero, podemos dizer que a matéria está totalmente penetrada com energia. E imediatamente vemos que isso é notícia velha. A ciência recentemente “descobriu” o que as culturas antigas sempre souberam - que a energia penetra na matéria. Tudo vem dessa energia e retorna a ela. É a fonte de toda a vida. Cada cultura deu seu próprio nome a ele. Portanto, é chamada de “A energia com mil nomes”. Sobre o que estamos conversando? Energia da vida! A energia vital é conhecida em todo o mundo desde a antiguidade e quase todas as culturas têm um nome para essa energia. Os chineses o chamam de ch'i, que é semelhante ao grego pneuma, ao latim spiritus vitalis, o prana da ioga, o mana dos Kahunas no Havaí, a luz dos cristãos, o ka dos antigos egípcios e o ki in reiki. Em nossa cultura, você encontrará a energia vital como o fluido dos mesmeristas, o éter da antroposofia, o od de Reichenbach e o orgão de Wilhelm Reich. Em todos os casos, falam de uma energia sutil que é universal, que inclui tudo e penetra tudo. Essa energia é a portadora dos processos da vida e conecta tudo a tudo o mais. A matéria é formada por ele. A energia vital é geralmente mencionada junto com a força vital. Tem propriedades curativas e magnéticas.


Energia de ponto zero e energia vital



A energia do ponto zero e a energia vital são realmente iguais? Em seu livro Tachyonen, Orgonenergie, Skalarwellen (Tachyon, energia orgone, caminhos escalares), Marco Bischof dá uma visão histórica bem documentada do desenvolvimento das várias concepções de energia vital, começando com o ch'i chinês de 3000 aC e terminando com a mecânica quântica de hoje e a energia do ponto zero. Bischof descreve como cada cultura, dependendo de sua época e lugar na terra, tinha uma visão diferente da energia vital. Por causa disso, certos aspectos da energia vital universal foram enfatizados mais ou menos, e ele, portanto, nos avisa para não agrupar ch'i, ki, ka, prana, mana e assim por diante, porque todos eles são baseados em diferentes conceitos. De acordo com Bischof, existe, no entanto, uma fonte comum de onde vem toda a energia vital. Bischof descobre que a energia vital é de fato uma energia diferente e mais sutil do que as formas de energia que conhecemos. Podemos medir, por exemplo, energia química na gasolina, energia eólica ou radiação eletromagnética com dispositivos. Mas ele conclui que a energia vital é uma forma sutil de energia que só pode ser percebida intuitivamente; não pode ser medido com dispositivos mecânicos. Bischof descreve muitos exemplos em que a energia vital é usada com sucesso, melhorando assim a saúde de seres humanos e animais e o rendimento das safras. Seu conselho para a ciência é levar a sério a existência de energia vital, pois as últimas descobertas da ciência ocidental também apontam para uma energia primordial fundamental que atua em todo o Universo, conectando tudo a todo o resto. De acordo com Bischof, o campo de energia do ponto zero é a fonte primária da energia vital universal que foi descrita, mencionada e usada por cada cultura à sua maneira.


Campos Mórficos



Portanto, vivemos em um mar turbulento de energia de ponto zero em que tudo e todos balançam para cima e para baixo. O mundo está repleto de todos os tipos de vida, que aparecem em muitas formas diferentes. A diversidade é enorme e isso torna a vida divertida, rica, surpreendente e interessante. Mas de onde vêm esses tipos de vida? O que os “forma”? Não há uma resposta fácil para essa pergunta, e a ciência ainda luta com o enigma de como, por exemplo, uma pequena semente se transforma em uma enorme árvore. Como as folhas, galhos, flores e frutos adquirem suas formas características? Nosso corpo forma cinquenta bilhões de novas células todos os dias, ou cerca de quinhentos mil células por segundo. Como uma célula sabe que está situada na parte superior do nosso corpo e que deve formar um fio de cabelo ali? Como uma célula sabe que faz parte de uma unha? Quem ou o que supervisiona isso? Esse tipo de pergunta tem a ver com o que os biólogos chamam de morfogênese, a origem da forma (grego: morphe = forma; gênese = origem). É um dos grandes mistérios não resolvidos das ciências biológicas. Por muitos anos, os cientistas pensaram que isso era geneticamente programado, mas agora parece que isso está longe de ser toda a verdade. Os genes determinam a sequência de aminoácidos, os blocos de construção das moléculas de proteína. Outros genes determinam o momento em que proteínas especiais são formadas. Desta forma, a proteína certa origina-se no momento certo durante o desenvolvimento do organismo. Mas é um mistério permanente como a forma característica do corpo emerge desses materiais de construção. Seus braços e pernas são quimicamente idênticos, mas têm formas diferentes. Enquanto os genes fornecem os blocos de construção para o material do corpo, o projeto para a forma ou desenho do organismo está faltando. Onde está o projeto? Onde está o design? Desde a década de 1920, alguns biólogos assumiram a posição de que essas informações são armazenadas em um campo “morfogenético”, que é um campo auto-organizado que contém projetos que organizam a matéria, comparável à forma como o campo em torno de um ímã organiza depósitos de ferro. O biólogo e cientista inglês Rupert Sheldrake estendeu essa ideia a áreas fora da biologia. Sheldrake pensa que não apenas os organismos, mas todas as organizações e ecossistemas têm um campo organizador. Ele chama todos esses campos de “campos mórficos”. Ele descreveu sua teoria em um grande número de livros e publicações, apoiando suas idéias com os resultados de pesquisas científicas. Sheldrake diz que existem muitos tipos diferentes de campos mórficos.


Em plantas e animais, os campos responsáveis ​​pelo desenvolvimento do corpo são chamados de campos morfogenéticos. As formas de conduta são organizadas por campos de conduta. Um campo social organiza e coordena a conduta dos indivíduos dentro do grupo social. Um exemplo disso é a maneira pela qual cardumes de peixes ou bandos de pássaros mudam repentinamente de direção como um grupo. De acordo com Sheldrake, os campos mórficos contêm informações: cenários com planos passo a passo, comparáveis ​​à planta de uma casa, bem como instruções que dizem por onde começar. Portanto, comece com a fundação primeiro, depois construa as paredes e assim por diante. Um belo exemplo é a forma como são construídas colinas arqueadas de cupins. Dois grupos de cupins começam a se formar em lugares diferentes. Eventualmente, eles se encontram exatamente no mesmo lugar, bem no alto. Não há cupins no comando, correndo de um morro para o outro, dirigindo e coordenando. Ambos os grupos constroem independentemente e seguem o esquema prescrito pelo campo mórfico. Os campos mórficos não apenas contêm informações antigas, mas também podem receber novas informações. Um exemplo bem conhecido é o "fenômeno do centésimo macaco". O macaco `Macaque` vive na ilha japonesa de Koshima. Em 1952, os cientistas alimentaram esses macacos com batatas-doces que foram jogadas na areia. Os macacos não comeram esta iguaria por causa da sujeira. Um jovem macaco encontrou a solução e lavou as batatas em um riacho próximo antes de dá-las à mãe. Depois que sua mãe também aprendeu o truque, cada vez mais macacos começaram a limpar as batatas do riacho. Entre 1952 e 1958, um grupo de cerca de cem macacos começou a usar a técnica de lavagem. Pode-se tentar explicar isso em termos de imitação de um comportamento; porém, depois que o centésimo macaco aprendeu a lavar suas batatas, de repente toda a tribo da ilha começou a fazer o mesmo. Ficou ainda mais surpreendente quando as colônias de macacos nas outras ilhas e no continente de repente começaram a lavar suas batatas-doces. Por alguma razão desconhecida, o truque passou para outros macacos em locais distantes. Embora não houvesse uma contagem exata, esse fenômeno ficou conhecido como fenômeno do “centésimo” macaco. Cada espécie de animal, cada sistema e cada organização têm um campo mórfico e, portanto, o que podemos chamar de memória coletiva. Você pode comparar isso a um grande livro no qual tudo está escrito, incluindo o que uma espécie de animal, um grupo de pessoas ou uma empresa experimenta e encontra. Nos seres humanos, essa memória coletiva está intimamente relacionada ao que o psicólogo C. G. Jung chamou de subconsciente coletivo. No esoterismo, o termo registros akáshicos é usado para designar a memória mundial que contém todos os eventos desde o início dos tempos. Em uma empresa, tudo o que já aconteceu com a organização fica armazenado no campo mórfico da empresa. Este campo é a sede da cultura da empresa, uma forma de fazer as coisas maior do que todos os trabalhadores ou empregados e que os influencia, geralmente sem o seu conhecimento.


A diferença entre energia e informação



Os campos mórficos contêm informações e podem ser comparados a um script que um sistema pode usar para se organizar. O campo, por assim dizer, informa a matéria: a informação entra no FORM e se torna matéria. É como a encarnação, onde o espírito se manifesta na forma humana. A informação faz o mesmo - torna-se forma. No entanto, para ler um livro, digerir as informações e agir de acordo com elas, você precisa de energia. Sheldrake não diz nada sobre isso. Em seu campo formativo encontramos apenas informação, nenhuma energia. E, curiosamente, Lynne McTaggart, em seu livro The Field, escreve apenas sobre a energia do ponto zero e não menciona informações. Ainda assim, Sheldrake e McTaggart costumam usar os mesmos exemplos para apoiar suas teorias.



Muitos autores tratam energia e informação como se fossem uma e a mesma coisa, e isso é causa de muita confusão. Como veremos mais adiante neste livro, as aplicações práticas aumentam se distinguirmos entre esses conceitos. Energia e informação são propriedades diferentes. Um locutor de rádio nos dá informações. Se não conseguirmos ouvi-lo porque o volume está muito baixo, aumentamos o volume do rádio. Naquele momento estamos adicionando energia, mas isso não muda a notícia, a informação em si. Você precisa de energia para transferir a informação de um palestrante para uma audiência, mas a informação permanece a mesma, independente da quantidade de energia; soa apenas mais alto ou mais baixo. Ninguém pensaria que você estava contando uma história diferente se simplesmente falasse mais alto. A energia não se limita a cuidar da transferência de informações, ela também faz com que as informações tomem forma, faz algo acontecer com elas. Você pode comprar um livro excelente para ajudá-lo a sair de uma depressão, mas se você não tiver tempo ou energia para lê-lo, não poderá assimilar as informações. E depois disso, você precisa de tempo e energia para agir de acordo com o que leu.


Força Formativa



Eu quero voltar às linhas que mencionei anteriormente:



A energia vital mais a informação geram uma força formativa. Uma força formativa mais matéria gera uma forma de vida.



Com a ajuda do conhecimento da energia do ponto zero, que é a mesma energia vital que conhecemos há muito tempo, e da teoria dos campos mórficos, algumas peças do quebra-cabeça se encaixam. Poderíamos dizer que tudo está conectado a tudo o mais por um oceano interminável de energia de ponto zero, coberto por campos mórficos de informação, agindo como uma espécie de matriz. Da conexão entre esta energia vital e a informação surge uma força formativa. Se esta força formativa se conecta à matéria, uma forma de vida se origina. Isso parece fácil, mas a existência de tal força formativa criativa contradiz totalmente o conhecimento científico atual. A termodinâmica, um ramo das ciências naturais, nos ensina que todo sistema tende à entropia - à perda da ordem e da estrutura. Cada organismo e cada sistema tende a se desintegrar mais cedo ou mais tarde. Não é uma coisa muito agradável de se esperar, mas felizmente você verá o oposto se olhar em volta. Na natureza, todo ecossistema se desenvolve em direção a uma maior complexidade e um maior grau de biodiversidade, aumentando o número de espécies vegetais e animais. O mesmo é verdade para sociedades e culturas altamente desenvolvidas.



O Significado da Consciência



Essa ideia de uma força formativa me fascinou, então decidi descobrir se mais se sabia sobre ela. Ao mesmo tempo, percebi que um livro ou um roteiro, como a informação em um campo mórfico, nada faz por conta própria; é passivo. A informação só começa a funcionar se alguém decidir ler o livro e agir de acordo com ele. Ler um livro é feito com a sua consciência, caso contrário, você não pode absorver as informações. O grau de consciência também está relacionado à complexidade do livro. Por exemplo, você não pede a uma criança para ler sobre a Teoria da Relatividade de Einstein. Por outro lado, todo adulto pode entender as instruções - o script - para montar um armário IKEA. Nossa consciência também nos permite escolher onde colocar o armário e o que colocar nele. Portanto, não há dois, mas sim três “elementos” responsáveis ​​pelo desenvolvimento da vida: energia vital, informação e consciência. A energia vital tem a capacidade de tomar forma. A informação tem a capacidade de informar e criar forma. Ambos precisam um do outro, mas nenhum forma uma conexão com o outro por conta própria.


A consciência traz os dois juntos e, no momento em que o faz, a força formativa se origina. Deixe-me explicar melhor ... A consciência é o principal. Energia e informação são secundárias. Uma força formativa se origina da energia vital e da informação, mas apenas quando a consciência se conecta a elas. Portanto, é melhor falar de uma força formativa “consciente”. Portanto, podemos dizer que, quando uma força formativa consciente se conecta à matéria, uma forma de vida com consciência é gerada.



Tendo chegado a esse entendimento, voltei meus pensamentos para as outras duas linhas:



Tornar-se consciente leva a uma consciência superior. O caminho é o objetivo.



A consciência é o iniciador de uma força formativa que se conecta à matéria e se manifesta como uma forma de vida consciente. Esta consciência ganha experiências durante sua vida na forma material. Na vida humana, experimentar o mundo exterior e interpretar essa experiência é um processo de tornar-se consciente. Se você fizer isso bem, aprenderá algo com isso. O processo de experimentar ou aprender, em outras palavras, de se tornar consciente, leva a um estado superior de consciência no final.



Se o caminho é a meta, significa que a meta na vida é o desenvolvimento de níveis cada vez mais elevados de consciência. Isso significaria que não apenas tudo é feito de energia e informação, mas também que tudo tem consciência e que o desenvolvimento dessa consciência para um nível superior é o objetivo do Universo.


Um número infinito de possibilidades



O campo de energia do ponto zero não é a única descoberta proveniente da mecânica quântica. Quando, no início do século XX, os pioneiros da física quântica chegaram à essência do que é a matéria, ficaram pasmos com o que viram. Eles descobriram que os blocos de construção mais elementares da matéria às vezes se comportavam como partículas, às vezes como ondas e às vezes como ambos ao mesmo tempo. Eles poderiam aparecer em todos os tipos de condições ao mesmo tempo até que os observássemos ou medíssemos, e naquele momento eles se transformaram em algo concreto.

Parece que o pesquisador influenciou o resultado do que estava medindo. Se ele presumiu que a luz consistia em partículas, ele percebeu partículas. Se seu ponto de partida fossem ondas de luz, ele encontraria ondas de luz. O dualismo onda / partícula é uma das coisas mais peculiares da mecânica quântica. De acordo com a mecânica quântica, a existência de uma onda ou partícula depende do seu ponto de vista. Portanto, no nível mais elementar, nada é certo.


126 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo